Capitu, afinal e finalmente

 

 

Roberto Gomes

 

Todos conhecem o teste de DNA. Até mesmo dona Pâmela, moradora do bairro, que passeia por estas ruas tranqüilas com seu cão dobermann, chamado Astolfo. Dia destes, estava ela conversando com o meu jardineiro, sendo senhora solitária e carente de companhia, e a surpreendi dizendo que muitos benefícios trouxera à humanidade “aquele teste de DNA inventado pelo Ratinho”.

Bom, ninguém é perfeito. Embora tenha feito faculdade de Estudos Sociais, nos tempos de universidade dona Pâmela andava demasiado ocupada com seu casamento para se aprofundar em questões médicas e biológicas.

Mas não lhe falta razão. De fato, o teste de DNA poderia ter resolvido muitos problemas, inclusive literários.

Se no século XIX houvesse o tal teste, mesmo sem televisão e o programa do Ratinho, os rumos da literatura brasileira seriam outros. O livro Dom Casmurro soaria falso ou teria que ser reescrito por Machado. Logo que Bentinho desconfiasse de sua esperta e atilada Capitu, ele cortaria uma mecha de seus cabelos, iria a um laboratório e descobriria, com erro de menos do que 2%, se aquele garoto com a cara do Escobar, o andar do Escobar, o jeito do Escobar, era ou não filho do Escobar.

Nesta hipótese, o romance – a não ser que o notável talento de Machado lhe desse outro destino – não ultrapassaria umas cinco páginas, viraria conto. Mas, aparentemente, muitos leitores e críticos literários ficariam satisfeitos por gozarem da certeza científica de que Capitu traiu (ou não traiu) Bentinho.

Tenho dúvidas se a literatura brasileira ganharia com isso. Acho até que este recurso à ciência – que fulminou fantasias humanas que nos faziam tanto bem – levaria Machado a engavetar Dom Casmurro.

Houvesse o recurso ao DNA, porém, inúmeras dissertações de mestrado, quilos de teses de doutorado, muitos artigos doutos teriam sido evitados. Vestibulandos não seriam obrigados a se torturar com as dúvidas do ciumento Bentinho e saberiam marcar a alternativa correta com exatidão científica. Economizaríamos litros de tinta e toneladas de papel.

No entanto, o jardineiro com quem dona Pámela trocava prosa na calçada aqui de casa, enquanto Astolfo, o dobermann, atacava os sacos de lixo e destruía o canteiro de begônias, disse uma coisa surpreendente. Ele puxara conversa dizendo-se preocupado com um vizinho que tinha dúvidas se aquele rapagão que tinha em casa era realmente seu filho. Por isto, quando dona Pâmela sugeriu o teste de DNA, ele se apoiou relaxadamente no rastelo, passou a mão no rosto e disse:

- Sei não, dona. Ele já se acostumou com a dúvida. Acho que gosta de viver desse jeito.

Não ouvi o resto da conversa. Segui minha caminhada, convencido de que este jardineiro é um craque em teoria literária.

Em primeiro lugar, não há como conferir um adultério cometido (ou não) numa história que só existiu na cabeça de Machado de Assis e que agora só existe em nossas cabeças. Que o autor provoca o leitor o tempo todo, não há dúvida, mas tentar resolver o problema objetivamente exigiria abandonar qualquer distinção entre ficção e realidade; Machado, no fundo, se diverte. Larga pelo caminho todas as pistas possíveis e escancara todas as possibilidades. Ao contrário, aliás, do teste de DNA, que só concede 2% ao opositor. Menos do que o emplasto inventado por Brás Cubas, que seria uma espécie de panacéia universal 100% infalível.

Ou seja, Machado não brinca com este adultério que houve (ou não houve), para nos legar uma charada inútil. Penso que escreveu este livro para nos advertir: isto é ficção, não é realidade. Grande lição.

Mas estou convencido de que o texto estrábico de Machado nos diz que Capitu traiu Bentinho. Dou razão ao Dalton Trevisan, o maior conhecedor de adultérios na literatura brasileira, que afirmou: “se Capitu não traiu Bentinho, então Machado de Assis é José de Alencar”.

Aliás, a frase de Dalton me permite especular. Mário de Alencar, filho de José de Alencar, tinha a cara do Machado de Assis. E aquela inglesa, Giorgiana Cochrane, a Senhora do Alencar, não era de se jogar fora.

 

e-mail: robertogomes@criaredicoes.com.br